More

    Carga rápida: com o êxodo de Bezos, é hora nobre, a Amazon relançou o Fire Phone


    Esta semana, o mundo da tecnologia ficou em apuros depois que o empresário bilionário Jeff Bezos anunciou que deixaria o cargo de CEO da Amazon.

    A notícia tem enormes ramificações para o mundo em geral, com a Amazon tendo seus dedos em praticamente todas as tortas que você possa imaginar, deixando muitos especulando o que Bezos planeja fazer a seguir e que impacto potencial isso terá no futuro da empresa. Mas, para mim, há um potencial positivo que pode vir de uma mudança na liderança da Amazon: um foco melhor no hardware móvel.

    Não é segredo que a Amazon tem tido um sucesso incrível com hardware de sua própria marca em vários setores. O Kindle é um dos leitores eletrônicos mais usados ​​no mundo, assim como seus alto-falantes inteligentes da família Echo. Os tablets Fire também continuam sendo ótimos dispositivos para famílias que procuram um centro de entretenimento adequado para crianças, e os bastões e caixas Fire TV são constantes best-sellers.

    É por isso que é tão estranho que a empresa nunca fez semelhante em estradas com dispositivos móveis, especialmente considerando que fez uma tentativa muito séria em 2014, quando lançou o Fire Phone.

    Para quem é jovem demais para se lembrar, o Fire Phone foi o primeiro (e até agora, único) smartphone feito pela Amazon. Bezos o revelou triunfantemente, enquanto fazia sua melhor impressão de Steve Jobs em 2014, alegando que iria “revolucionar o mercado móvel” com sua tela “única de perspectiva dinâmica”.

    À parte a marca extravagante, a tela era um painel LCD básico de 4,7 polegadas, resolução HD, com um elemento 3D personalizado. O objetivo era permitir que o telefone criasse efeitos 3D rastreando os movimentos da íris e da cabeça do usuário usando as quatro câmeras frontais e ajustando as imagens exibidas de acordo.

    A tecnologia parecia legal e criou muito buzz na época, mas com o uso no mundo real eu mesmo, e todos os outros revisores descobriram que a tecnologia era um artifício usado para mascarar o hardware e design básico do Fire Phone, que de outra forma seria medíocre, que estavam muito atrás dos melhores telefones da época. Isso, além do software FireOS de primeira geração do Fire Phone, significa que o produto nunca incendiou o mundo dos smartphones e a Amazon nunca mais tentou entrar no mercado desde então.

    Isso é uma pena, pois a empresa deu saltos e saltos desde então com seu outro hardware e ecossistema de serviços. Por exemplo, a oferta da Prime Video é agora uma das melhores do mercado, com suporte para 4K e HDR e um portfólio diversificado de conteúdo. A loja do Kindle continua sendo a melhor para livros digitais e o FireOS em geral parece devidamente preenchido para atender às necessidades da maioria das pessoas, desde que sejam clientes Prime. Isso, além de seu preço baixo, é um dos principais motivos pelos quais os tablets Fire geralmente têm uma boa pontuação durante nossas análises e aparecem em nosso guia dos melhores tablets para crianças.

    Como resultado, não posso deixar de pensar que agora é a hora do Prime – veja o que eu fiz lá – para a Amazon repensar sua estratégia de hardware móvel e relançar a marca Fire Phone.


    Artigos Recentes

    Cor da lâmpada Wyze: a única lâmpada inteligente barata que vale a pena por aí

    “É tão bom e barato que talvez você nunca mais volte para a Philips Hue.” Saída realmente brilhante As cores estão muito saturadas Não requer ponte Preço...

    Yield Guild Games permitirá que os jogadores ganhem dinheiro com jogos NFT

    Chegou a hora de ganhar dinheiro com jogos, de acordo com a Yield Guild Games, que arrecadou US...

    UFC PPV: Quanto custa na ESPN +?

    A nova temporada do UFC começou oficialmente com o UFC 259: Blachowicz vs. Adesanya - o terceiro grande evento pay-per-view de 2021 com...

    Artigos Relacionados

    DEIXE UMA RESPOSTA

    Por favor digite seu comentário!
    Por favor, digite seu nome aqui