More

    Não subestime o barato


    Em 30 de novembro, o porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China, Lijian Zhao fixou uma imagem em seu perfil do Twitter. Nele, um soldado está em uma bandeira australiana e sorri como um maníaco enquanto segura uma faca ensanguentada na garganta de um menino. O menino, cujo rosto é coberto por um véu semitransparente, carrega um cordeiro. Ao lado da imagem, Zhao tuitou: “Chocado com o assassinato de civis e prisioneiros afegãos por soldados australianos. Condenamos veementemente tais atos e chamamos [sic] por responsabilizá-los. ”

    O tweet faz referência a um anúncio recente da Força de Defesa Australiana, que encontrou “informações credíveis” de que 25 soldados australianos estiveram envolvidos no assassinato de 39 civis e prisioneiros afegãos entre 2009 e 2013. A imagem pretende mostrar um soldado australiano prestes a cortar a garganta de uma criança afegã inocente. Coisas explosivas.

    Exceto que a imagem é falsa. Olhando mais de perto, não é nem muito convincente. Ele poderia ter sido montado por um novato no Photoshop. Essa imagem é chamada de cheapfake, uma peça de mídia que foi cruelmente manipulada, editada, rotulada incorretamente ou contextualizada de maneira inadequada para espalhar desinformação.

    O barato está agora no centro de um grande incidente internacional. O primeiro-ministro da Austrália, Scott Morrison, disse que a China deveria estar “totalmente envergonhada” e exigiu um pedido de desculpas pela imagem “repugnante”. Pequim se recusou, acusando a Austrália de “barbárie” e de tentar “desviar a atenção do público” de supostos crimes de guerra cometidos por suas forças armadas no Afeganistão.

    Há duas lições políticas importantes a tirar desse incidente. A primeira é que Pequim sancionou o uso de uma falsificação barata por um de seus principais diplomatas para espalhar ativamente desinformação nas plataformas online ocidentais. A China tradicionalmente tem exercido cautela nessas questões, com o objetivo de se apresentar como uma superpotência benigna e responsável. Esta nova abordagem é um ponto de partida significativo.

    O barato está agora no centro de um grande incidente internacional.

    Mais amplamente, no entanto, essa escaramuça também mostra a crescente importância da desinformação visual como ferramenta política. Na última década, a proliferação de mídia manipulada remodelou as realidades políticas. (Considere, por exemplo, as falsificações baratas que catalisaram um genocídio contra os muçulmanos Rohingya na Birmânia, ou ajudaram a espalhar a desinformação secreta.) Agora que as superpotências globais estão abertamente compartilhando falsificações baratas nas mídias sociais, o que as impede (ou qualquer outro ator) de implantar desinformação visual mais sofisticada à medida que surge?

    Durante anos, jornalistas e tecnólogos alertaram sobre os perigos dos “deepfakes”. Em termos gerais, deepfakes são um tipo de “mídia sintética” que foi manipulada ou criada por inteligência artificial. Eles também podem ser entendidos como o sucessor “superior” dos falsos baratos.

    Os avanços tecnológicos estão simultaneamente melhorando a qualidade da desinformação visual e tornando-a mais fácil para qualquer um gerar. À medida que se torna possível produzir deepfakes por meio de aplicativos de smartphone, quase qualquer pessoa será capaz de criar desinformação visual sofisticada quase sem custo.

    Alarme falso

    Alertas falsas chegaram a um nível febril antes da eleição presidencial dos Estados Unidos deste ano. Durante meses, políticos, jornalistas e acadêmicos debateram como conter a ameaça percebida. Na corrida para a votação, as legislaturas estaduais no Texas e na Califórnia até proibiram preventivamente o uso de deepfakes para influenciar eleições.




    Artigos Recentes

    Carga rápida: a maior competição do Galaxy S21 não é o que você pensa

    Já se passou mais de uma semana desde que a Samsung revelou o Galaxy S21 e o Galaxy S21 Ultra e eu passei...

    Os benefícios do assinante Spotify Premium não se aplicam a podcasts

    Uma das propostas principais do Spotify Premium é a capacidade de ouvir música ilimitada sem interrupção comercial. No entanto, se você espera...

    As lutas de transformação da IBM continuam com a receita de nuvem e IA caindo 4,5%

    Há alguns meses, na conferência Transform da CNBC, o CEO da IBM, Arvind Krishna, pintou o quadro de uma empresa em meio a...

    AirPods x AirPods Max

    A Apple já percorreu um longo caminho desde que incluiu pela primeira vez seus fones de ouvido redondos tradicionais na caixa do iPod...

    Artigos Relacionados

    DEIXE UMA RESPOSTA

    Por favor digite seu comentário!
    Por favor, digite seu nome aqui