More

    Por que é hora de mudar a conversa em torno da mídia sintética


    Nos últimos anos, a inteligência artificial atingiu um ponto crítico, impulsionada por níveis recordes de investimento e a crescente disponibilidade de dados de treinamento. No entanto, o que vemos hoje ainda é apenas a ponta do iceberg quando se trata do potencial criativo da IA.

    Várias encarnações de mídia sintética – conteúdo gerado ou manipulado por IA, muitas vezes por meio de aprendizado de máquina e aprendizado profundo – já começaram a ser adotadas para fins comerciais. Isso inclui assistentes virtuais, modelos de moda e chatbots que sintetizam texto e fala, e também testemunhamos uma onda de seres virtuais, incluindo o influenciador do Instagram gerado por computador Lil Miquela, o coronel Sanders virtual do KFC e Shudu, a primeira supermodelo digital.

    No entanto, a mídia sintética também se tornou sinônimo de deepfakes – vídeos ou imagens em que a pessoa retratada foi substituída pela imagem de outra pessoa.

    Oportunidades inexploradas

    Como resultado, a conversa foi desviada de algumas das oportunidades mais interessantes que a mídia sintética oferece. A mídia sintética transformará a maneira como produzimos e consumimos mídia. Para a maior parte, parece que a IA realmente democratizará a criatividade, em vez de substituir os criadores de conteúdo humano, e permitirá uma maior experimentação.

    Os indivíduos serão capazes de produzir conteúdo de alta qualidade com um orçamento mínimo. Os casos de uso em potencial incluem a capacidade de voltar e fazer alterações nas linhas de diálogo faladas em um vídeo ou podcast simplesmente editando um script de texto, como o oferecido pelo podcast tech startup Descript. Indo um passo adiante, a startup Synesthesia de AI permite que as empresas criem vídeos inteiros em vários idiomas para fins como treinamento de equipe, simplesmente escolhendo entre uma seleção de apresentadores e inserindo um script.

    A pandemia COVID-19 só vai acelerar a adoção de meios sintéticos. Restrições a atividades como filmagens podem se tornar comuns se experimentarmos uma segunda onda, abrindo caminho para a enorme oportunidade comercial de software que permite às pessoas criar vídeos no estilo deepfake. Além disso, a mídia sintética apresenta uma maneira para os influenciadores escalarem sua marca pessoal, com a capacidade de criar gêmeos digitais que podem representá-los em filmes e comerciais, etc.

    Avatares gerados por IA também têm alguns casos de uso em potencial interessantes além do mundo das celebridades. O documentário recente da HBO Bem vindo a chechênia, que explora a perseguição de pessoas LGBTQ na Rússia, usou tecnologia deepfake para proteger a identidade dos entrevistados, sobrepondo seus rostos com os dos atores. Os avatares digitais também são promissores como meio de reduzir o preconceito e a discriminação, como no contexto de recrutamento.

    Acima: A análise atual das empresas de mídia sintética por tipo de mídia produzida. Fonte: Samsung NEXT.

    Acima: Onde estão localizadas as empresas de mídia sintética. Observe que o número real para a China pode ser maior; informações não estavam disponíveis para algumas startups baseadas na China. Fonte: Samsung NEXT.

    Acima: Anos de fundação para a atual quantidade de empresas de mídia sintética. Fonte: Samsung NEXT.

    Acima: A paisagem atual.

    Como podemos seguir em frente?

    Em pesquisas recentes sobre a evolução do cenário da mídia sintética, minha equipe observou um grande aumento no número de startups sendo fundadas nos últimos cinco anos, com síntese de voz e voz e síntese de avatar representando os dois maiores setores. No entanto, infelizmente, muitos desses novos casos de uso criativos permanecem quase totalmente obscurecidos por preocupações sobre falsificações profundas e desinformação no discurso em torno da mídia sintética. Como resultado, não estamos conseguindo perceber o potencial disruptivo dessas tecnologias, que parecem destinadas a inaugurar uma nova era da mídia.

    Essas questões éticas são talvez o maior obstáculo à progressão da mídia sintética hoje. Toda empresa que trabalha com mídia sintética precisa dedicar um tempo para considerar um código de conduta ético que defenda – isso inclui obter o consentimento explícito de qualquer parte cuja imagem ou voz usem e implantar um rígido processo de triagem interna antes de divulgar conteúdo ao público.

    Os padrões de toda a indústria baseados em consentimento e desinformação precisarão ser implementados de uma forma que não sufoque a inovação, o que levará tempo e exigirá conversas contínuas em nível nacional e internacional. Nesse ínterim, muitas empresas de mídia sintética estão resolvendo o assunto por conta própria e incorporando códigos éticos rígidos em seus produtos e parcerias. Essas startups estão revelando o potencial dessa tecnologia agora e permitindo que as pessoas levem a expressão criativa a um novo nível de uma forma mutuamente benéfica. É hora de começar a contar histórias positivas.

    Iskender Dirik é o diretor administrativo da Samsung NEXT Europe.




    Artigos Recentes

    Análise do Garmin Venu Sq: o nome principal em fitness, agora com US $ 199

    “Este é um excelente relógio de saúde e fitness a um preço acessível.” Rastreamento de atividades confiável e preciso Coleta e análise de dados em...

    Melhores jogos PS5: todos os maiores jogos confirmados chegando ao PlayStation 5

    A próxima geração de hardware de console está se aproximando cada vez mais, com novas informações sobre as especificações do PS5, jogos e...

    Como será o futuro do financiamento para startups

    Como entusiastas de tecnologia, estamos constantemente olhando para a próxima onda de startups de tecnologia que provavelmente mudarão o mundo. Como sociedade,...

    Qualcomm Snapdragon 750G traz 5G para as massas

    A Qualcomm anunciou um novo processador 750G de gama média que trará conectividade 5G para um número ainda maior de smartphones. O novo SoC...

    Novo argumento de recrutamento de tecnologia da CIA: mais patentes, mais lucros

    A agência de espionagem mais famosa da América tem um grande concorrente que parece não conseguir derrotar: o Vale do Silício. A...

    Artigos Relacionados

    DEIXE UMA RESPOSTA

    Por favor digite seu comentário!
    Por favor, digite seu nome aqui